quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Instante

A adrenalina baixou. Seu coração parecia que ia voltar a bater normalmente. A respiração ofegante entrecortava seus pensamentos, apenas flashbacks confusos e em câmera lenta do que acabara de ocorrer. Imagens desconexas de uma explosão de fogo e fúria.
Não acreditava, mas era ele mesmo ali. A dor no estomago característica do seu nervosismo estava lá para lembra-lo de que não era sonho.
Haviam sons, muitos sons, mas tudo era um ruido abafado, só o vento era perceptível uivando baixinho no seu ouvido um zumbido doce e triste. E lá estava ela, aqueles olhos cor de gasolina se destacando na paisagem desfocada. Não consegue lembrar do nome, mas não pergunta e ela por sua vez não reponde. Apenas o olhar colorido, brilhante e lacrimoso. Queria toca-la, estendeu a mão mas só achou o vazio do ar.
Desiludido, fecha os olhos, quer dormir tomado por um desejo irresistível de descansar. Os abre novamente, ela ainda está ali. A distancia entre eles desaparece num vazio escuro, o ventou uiva mais forte e ele se vê com treze anos em queda livre quando caiu do galho mais alto da mangueira do quintal, um arrepio percorrendo a espinha.
Então tudo para e ele está de volta à paisagem desfocada, porque as mãos dela o tocam como uma folha que cai lentamente de uma árvore. Estão tão quentes, e ele toma consciência do frio que sente.
Não era sonho de fato.
Sinto muito ela diz e ele não ouve, mas pode ler a frase em seus olhos. Olhos que bastariam a mais pequena fagulha, para se inflamarem novamente.
Ele percebe o sangue na camisa escura do trabalho. A dor que já não sente. O ar que não preenche os pulmões. Se da conta de que aquilo tudo é o fim, a ansiedade do ultimo suspiro, e junto com ele o uivo do vento traz o nome à lembrança: Bel... Isabel. A maldita.

6 comentários:

  1. Que mistério! Ela fez ele morrer? :O
    Gostei muito de "olhos cor de gasolina" :D
    Que cor é essa? Deve ser linda.

    ResponderExcluir
  2. E o coração nunca mais volta a bater como antes (...)

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito de "olhos cor de gasolina" (2)

    concordo com esta definição de cor. a gente não sabe se é verde ou azul. muito feliz na descrição.

    eu vivi 5 anos da minha infância e adolescência no Galeão.


    =D
    marcos

    ResponderExcluir
  4. "Isabel. A maldita. Próxima novela da Rede Record."
    Eu dava uma boa marketeira, não dava não? :P

    ResponderExcluir