sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Cão de Guarda

Orelhas de pé. Atento. Era preciso vigiar.
O dono ali, sentado no sofá. Cabia a ele protege-lo, Instinto, gratidão ou mero condicionamento, a origem da força de sua devoção não estava clara. Sua mente de cão não se importava com essas coisas, não devaneava. só vigiava, montava guarda. Puro propósito.
O dono tão tranquilo, distraído, tão desavisado dos perigos. O cão não, esse estava sempre alerta. Latindo ao menor perigo, e sempre eram muitos: os pássaros que insistiam em pousar no jardim, algum gato vagabundo invadindo seu território. Ou o pior inimigo: o outro homem vestido de amarelo e azul que de vez e quando tentava invadir sua casa.

Ali só entravam ele e o dono. Não haviam outros, não recebiam visitas, não haviam crianças para afaga-lo, para lhe atirarem bolas coloridas, ou qualquer outra brincadeira, fora assim desde sempre. Ele, o dono e a casa. Todo o resto era hostil, indesejado.
Ele como bom cão dava o alerta, latia demostrando que ninguém era bem vindo.
Não era de brincadeiras, era sério, sisudo, intimidador. O puro reflexo do dono.
Chegou àquela casa ainda filhote, para substituir um outro cão, mas ignorava o passado. Era apenas o presente, também não pensava no futuro. Uma refeição por dia, sempre a mesma hora, um banho por semana, sempre no mesmo dia. Tijela de água na área de serviço. Rotina imutável.
Só conhecia o quintal, nada além dos altos muros e do pesado portão. E assim cresceu treinado e moldado para proteger esse seu pequeno território.

E agora que o dono estranhamente não acordava, ele sentia que era preciso vigiar ainda mais. Guarda montada ao redor do sofá. Eventualmente se deitava aos pés imóveis do homem, mas a qualquer pequena perturbação as orelhas subiam novamente e se mostrava atento.
O tempo corria e outras necessidades se faziam presentes. Lambeu a mão do dono, mãos que o alimentavam desde de filhote. A fome e a sede apertavam, tornando-o mais agressivo, mais irritado, mas se recusava a deixar o posto.

Antes de cão era bicho, e viu-se obrigado a procurar por alimento e água. Afinal saco vazio vazio não para em pé, como poderia vigiar se não tivesse forças?
Apenas cretinices de um narrador humano. Seu cérebro canino não se ocupava com essas questões, o caso foi apenas que a fome e a sede eram mais urgentes, o instinto de autopreservação falou mais alto. Percorreu a casa, porta da rua trancada, não tinha como sair. Por sorte a tampa da privada estava levantada e pode pelo menos matar a sede. Mas a fome ainda estava lá. Farejou a cozinha, revirou lixeiras. Encontrou alguns restos sobre a mesa, teve que servir.

Outro dia já ia amanhecendo deitou-se aos pés do sofá de volta ao posto. E novamente ao menor ruido as orelhas subiam. Dormia, mas continuava atento. Durou pouco, a fome apertou.
Lambeu novamente a mão do dono, nada dele se manifestar, seu cheiro estava estranho, sabia que havia algo errado, mas precisava, guarda-lo protege-lo. Sempre foi sua única companhia, eram só ele e o dono.
Os dias passavam imutáveis, nova rotina, a fome e a sede ditavam as regras, determinavam os horários.
Os dois trancados na casa sozinhos. À noite seus instintos passaram a ser mais exigidos, ratos começaram a rondar o local, no inicio foram tratados como invasores e espantados aos latidos. Algumas noites depois se tornaram presas, comida fresca. Os farejava e tentava caça-los. Só que nesse jogo de caçada os ratos levavam vantagem, passaram a vida se escondendo de predadores e dos humanos, a seleção natural os tinha tornado furtivos e velozes, enquanto ele era animal doméstico, acostumado a ser alimentado. Barulhento e desajeitado. Os ratos ganhavam sempre.

Os restos de comida da cozinha escassearam rápido, já que agora eram divididos com os roedores. A fome era maior, em desespero subiu no colo do dono choramingando lambeu-lhe o rosto gelado e estático. Sentiu então um gosto bom, sentiu o sangue seco que lhe escorria pelo queixo e empapava o peito, lambeu tudo com voracidade, o estomago precisava ser saciado, lambeu as mãos, aquelas mãos que o alimentavam.

O cheiro era outro, de sangue e carne. Acordou a alma de lobo, grunhiu tristemente não se sabe o porque, talvez um resquício da gratidão condicionada pelos anos de convivência, pelas gerações anteriores de cães de guarda que vieram antes dele. O lamento foi o ultimo ato do cão doméstico e o despertar de uma fera ancestral.

Mordeu, mastigou, se satisfez.
Deitou as pés do sofá como sempre fazia, as orelhas atentas a qualquer ruído, era preciso montar guarda, protegia não o homem o dono, mas a comida. Havia muita carne ali e não deixaria que os ratos pegassem nenhum pedacinho do que era seu.

6 comentários:

  1. Forte!
    Um filme. O horror urbano dos cárceres humanos.
    Estou impressionada com a tua escrita.
    Impressionante e real. Algo possível ao real de nosos dias.

    Abraços e bom feriado.

    ResponderExcluir
  2. monta-se guarda de acordo com a necessidade né?
    beijos

    ResponderExcluir
  3. engraçado.. parece uma descrição despretensiosa do mercado de trabalho, não?

    ResponderExcluir
  4. Porra, histórias de cachorros ESQUILO! me deprimem. Ainda mais essa, meu irmão.

    grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Fico só pensando quanto tempo Pitanga resisiria. Acho que por todo amor intenso por mim, e pela capacidade dela renegar sua caninidade para ser gente, a resposta seria: três horas.

    Antes das quais ela me tiraria o décimo terceiro, o direito as férias, plano de saúde, fechando o cerco até que eu, finalmente, meu cadáver não aguentaria e aderia a demissão voluntária.

    Você me conhece, e sabe como é a minha relação com cadáveres nas histórias: morreu, se fodeu.

    Beijos

    ResponderExcluir